AO VIVO OUÇA A NOSSA PROGRAMAÇÃO

Notícias

Brasil

Fiéis são suspeitos de participarem de tentativa de roubo de $13 milhões em templo da Igreja Universal

A Igreja Universal do Reino de Deus sofreu uma tentativa de assalto em uma de suas filiais, e segundo investigações preliminares, dois fiéis teriam participado da ação fornecendo informações aos quatro criminosos. O crime, que foi frustrado, pretendia levar $ 13 milhões dos cofres do templo.

O caso foi registrado na cidade de Kilamba, vizinha a Luanda, capital de Angola. O montante, na moeda local, Kwanza, é o equivalente a R$ 200 mil. A Polícia, agora, está investigando o crime e já teria descoberto que dois fiéis da Universal teriam fornecido informações para os criminosos sobre a grande quantidade de dinheiro guardada na tesouraria do templo.

O porta-voz do Ministério do Interior, Mateus Rodrigues, concedeu uma entrevista coletiva e informou que os quatro suspeitos pelo crime já tem passagem pela Polícia. “Para o crime, os acusados usaram uma arma de fogo do tipo AKM, cano serrado, e uma viatura de marca Hyundai Tucson. Importa frisar que o roubo contou com a participação de dois obreiros da Igreja Universal que forneceram informações sobre a existência e movimentação de valores”, afirmou.

Segundo Rodrigues, “diligências prosseguem para a captura dos prófugos”, que conseguiram escapar após a tentativa frustrada do assalto, segundo informações do portal angolano Nova Africa.

Outro integrante do governo, Francisco Castro Maria, diretor do Instituto para os Assuntos Religiosos do Ministério da Cultura, criticou a Igreja Universal por manter uma soma milionária nos cofres do templo: “É mais seguro, mais prático e viável guardar o dinheiro no banco, sobretudo uma soma como esta de 13 milhões de kwanzas, é muito dinheiro”.

“Manter esse valor dentro do templo, por mais segurança que exista, há sempre um risco. Não só o risco do roubo, como de qualquer outro incidente que possa vir a acontecer”, salientou Castro Maria.

Em entrevista ao jornal O País, Francisco Castro Maria acusou a denominação de imprudência na administração dos dízimos e ofertas: “Esses valores, acredito, são um esforço titânico dos fiéis e membros desta igreja que têm estado a contribuir para os projetos e ações da própria igreja. E guardar no interior da igreja é um risco autêntico. Não obedece a normas modernas de conservação e manutenção do próprio dinheiro. O lugar ideal seria no banco”, reiterou.


Por: Gospel+

CONTATOS

(43) 3276-6532
(43) 99961-9032
http://edificandoemcristofm.com.br/

REDES SOCIAIS